O PPLSA tem sua repercussão na organização de eventos, participação de seus docentes em atividades de consultoria e assessoria em órgãos governamentais e não-governamentais, pela produção dos resultados das pesquisas em periódicos e livros qualificados, na manutenção e atualização diária do site do PPLSA que contém todas as informações de interesse da comunidade local, nacional e internacional e por sua ampla interação com outros programas nacionais e internacionais. 

A repercussão também se amplia para a formação dos alunos de graduação, interação entre a graduação e pós-graduação, interação entre Universidade e comunidades, aproximação com os alunos do Ensino Médio, inserção da temática afroindígena nas escolas públicas, coordenada pela Profa. Dra. Vanderlúcia da Silva Ponte.

Estudos e pesquisa com docentes das redes municipal e estadual de ensino na modalidade da Educação de Jovens e Adultos, por meio de Curso de Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude. Também pesquisas em nível de mestrado, que contribuem para a solidificação da educação do campo na região norte, tendo seus egressos contribuído para a reflexão e inserção nas práticas pedagógicas dos professores das redes municipal e estadual, coordenada pela Profa. Dra.Georgina Negrão Kalife Cordeiro.

Os docentes, discentes e egressos do PPLSA publicam artigos em periódicos, livros, capítulos de livros e trabalhos em anais de eventos, o que demonstra uma significativa ampliação da produção intelectual sobre a região Amazônica, com foco nas Narrativas e Imagens, Educação, Linguagens e Culturas, Saúde e Sociobiodiversidade na Amazônia. Isso mostra que o Programa cumpre um importante papel de contribuir com a compreensão das principais questões regionais na área interdisciplinar das linguagens e saberes na Amazônia.

É um significativo conjunto de materiais e conhecimentos que circula na comunidade científica regional e nacional e entre docentes do Ensino Superior, da Educação Básica, técnicos administrativos das instituições, assim como entre educadores/as de movimentos sociais.

Os eventos nacionais e internacionais são relevantes espaços de circulação dos conhecimentos produzidos e de visibilidade do PPLSA, por possibilitar aos docentes e discentes a socialização de suas pesquisas, debater com o público externo e divulgar as ações do Programa.

A ampla participação da comunidade nos eventos também é indicativa da credibilidade e legitimidade do Programa. 

Criação de site interativo – “Saberes e Floresta” para subsidiar na formação de professores, coordenado pela Profa. Dra. Vanderlúcia da Silva Ponte 

Oficinas de orientação para apresentações acadêmicas, coordenado pela Profa. Dra. Ana Paula Vieira de Souza.    

Convênio com a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) para tratamento e catalogação da documentação do SPI de 1910 – 1968, coordenado pela Profa. Dra. Vanderlúcia da Silva Ponte

Associação do Grupo Indígena Tembé das Aldeias Sede, Ytuaçu para apoio na elaboração de projeto para captação de recurso para recuperação de área degradada na Terra Indígena do Alto Rio Guamá, coordenado pela Profa. Dra. Vanderlúcia da Silva Ponte

Atuação em movimentos sociais como Fórum de Educação do Campo, Movimento Paraense de Educação de Jovens e Adultos Ações em parceria com as Secretarias Municipais de Educação de Bragança, Augusto Corrêa e Tracuateua, coordenado pela Profa. Dra. Georgina Negrão Kalife Cordeiro.

Atuação no Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista Caete-Taperaçu (RESEX-Mar) por meio do Prof. Dr. Luis Junior Costa Saraiva e Profa. Dra. Roberta Sá Leitão Barboza

Atuação no Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista de Tracuateua, através da Profa. Dra. Norma Cristina Vieira e Costa

O Programa mostra o seu compromisso com uma formação sólida e qualificada de profissionais com capacidade empreendedora no sentido do desenvolvimento das questões socioculturais, educacionais no que tange o fortalecimento das identidades, das territorialidades, das diversidades socioetnoculturais, com o foco na produção científica e de impacto na geração de produtos técnicos e tecnológicos a partir de projetos relacionados com o processo de interação Universidade-Empresa no setor pesqueiro Amazônico e os desdobramentos sobre a sustentabilidade da atividade e o aproveitamento integral de pescado em uma empresa de processamento; capacitação de manipuladores de pescado no município de Bragança-PA, além de patente por meio da Instituição de Registro: INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial sobre a conserva do pescado ao molho de tucupi e jambu, coordenado pela Profa. Dra. Marileide Moraes Alves.

Ressalta-se também que a maioria dos docentes, discentes, egressos do Programa em parceria com pesquisadores de outras Instituições Nacionais e Internacionais, atuam em projetos interdisciplinares com foco nas áreas de Educação e Direitos Humanos, povos indígenas, práticas e vivencias interculturais, saberes locais da pesca da Amazônia, patrimônio naval pesqueiro da Amazônia, hábitos alimentares e conflitos na Amazônia, saúde e sociobiodiversidade, literatura amazônica, tradução e narratologia e educação, tanto em comunidades tradicionais, instituições públicas, quanto privadas, com destaque para a colaboração com redes públicas de ensino.

Há, ainda, um número de docentes que vem se dedicando ao desenvolvimento e análise de materiais didáticos e acervos digitais e possibilidades novas/outras de ensino-aprendizagem. Destacam-se os projetos Saberes e produção de acervos digitais afroindígena e interações interculturais; Saberes da pesca indígena: produção de material didático intercultural nas escolas Tenetehar-Tembé. O Uso de Tecnologias assistivas em comunidades quilombola e pesqueira, coordenado pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-Brasileiros (NEAB/UFPA). Produção de cartilhas com o tema Ecologia Costeiro-Estuarina e os Saberes Pesqueiros Locais da coleção de cartilhas Da Pesca à Escola), entre os grupos de estudos da UFPA/Bragança ESAC, GUEAM e Laboratório LABPEXCA, na Escola Domingos de Sousa Melo, Vila do Bonifácio – Ajuruteua – Bragança (PA).

O Projeto de Extensão Cursinho Popular Prof. Dr. Horácio Schneider sob a coordenação pedagógica da Profa. Dra. Silvia Benchimol, com resultados de altos índices de aprovação para universidades locais e nacionais. Desde o ano de 2017 o Projeto de Extensão ABC English, atende uma média de 70 alunos carentes/ano com iniciação em Língua Inglesa e os habilitando a uma vida cidadã com mais oportunidades de inserção. O PROLIN – Projeto de Extensão, também sob a mesma coordenação contribui para que os candidatos aprovados ingressem em Programas de Pós-Graduação em todo o território Nacional por meio da legitimação de sua competência em leitura.

Projetos voltados para as populações indígenas, tais como: A produção de material didático intercultural nas escolas Tenetehar-Tembé, coordenado pela professora Roberta Sá Leitão Barboza; O português e as línguas indígenas na Amazônia Oriental, coordenado pela professora Tabita Fernandes da Silva. A execução desses projetos possibilita a produção de livros, capítulos de livros, cartilhas, artigos em revista qualis que são utilizados por pesquisadores e a comunidade em geral.